Depois de três anos de consultas médicas, exames e sessões de quimioterapia, a estudante Cíntia Oliveira, de 15 anos, comemorou “em grande estilo” a cura da leucemia. A adolescente e outros 59 jovens que já passaram, ou estão em tratamento no Hospital de Amor, em Barretos (SP), ganharam um baile de debutantes organizado por voluntários.

“É um sonho que está sendo realizado e que a gente ganhou de presente, com o amor de todo mundo que participou. Todos foram muito carinhosos e humanos. Uma festa maravilhosa, que todo mundo ajudou a realizar com amor e foi muito emocionante, inesquecível”, diz Cíntia.

As pacientes foram selecionadas pelos médicos, de acordo com a história de vida de cada uma. Ninguém pagou nada para participar. A festa foi organizada pelo projeto “Fadas Madrinhas”, que reúne voluntários com um único objetivo: fazer o próximo feliz.

“A gente ficou algumas noites sem dormir, mas é um cansaço bom. Uma verdadeira princesa, estou me sentindo muito poderosa. É um sonho se realizando. Desde pequena sonho em ter uma festa, ter um dia de princesa”, afirma a estudante Emylly Silva Gonçalves.  

A noite de gala aconteceu na última quarta-feira (18). Além das debutantes, jovens garotos que fazem tratamento, ou já venceram o câncer, também foram selecionados para serem homenageados. Todos puderam levar a família se divertiram muito.

“É um monte de emoção de uma vez só. Acontecem tantas coisas ruins na nossa vida e, quando acontece alguma coisa boa, a gente fica tão feliz. Por uma noite só a gente tem momentos inesquecíveis”, diz a estudante Valquíria Miller.

Da mesma forma que ninguém pagou para participar da festa, quem trabalhou também não recebeu. Mas, segundo a garçonete Elisabeth Regina Martins, que há 20 anos realiza trabalhos voluntários em Barretos, todo esforço foi recompensado pelos sorrisos dos jovens.

“É uma sensação boa. Eu recebi uma graça grande, é uma forma de agradecimento também. Cada um tem uma história para contar e essa de hoje vai ficar para sempre. No ano que vem, quero participar de novo. Fazer o bem é muito bom”, afirma.

 
Baile de debutantes com pacientes do Hospital de Amor em Barretos, SP — Foto: Fábio Junior/EPTV

Baile de debutantes com pacientes do Hospital de Amor em Barretos, SP — Foto: Fábio Junior/EPTV

 

Apenas a equipe dos garçons contava com 40 voluntários. O baile de debutantes mobilizou ainda maquiadores, cabeleireiros, cozinheiros, seguranças, fotógrafos, decoradores e muitos outros, todos sob o comando da empresária Liliane Barros Caron, idealizadora do projeto “Fadas Madrinhas”.

“Todo mundo é voluntário. A comida foi meu marido [quem fez], Ele é chef e teve voluntários que vieram ajudá-lo, OS INSUMOS FORAM DOADOS PELO SAVEGNAGO SUPERMERCADOS E GRUPO MINERVA. Você liga para um e pede, o outro pode oferecer um doce, o outro [oferece] a decoração, e a festa aconteceu”, diz.

"Queridinho" das adolescentes, o cantor sertanejo Gustavo Mioto também fez um show acústico especial para os convidados e incentivou os jovens a batalharem pelos seus sonhos. Como os demais voluntários, o músico também não cobrou para participar da festa.

“Estou muito feliz. Acho que se a gente faz o nosso trabalho por tanta coisa para a gente, por que não pode fazer para ajudar alguém? Uma movimentação gigantesca nos bastidores para fazer esse dia especial. O que move tudo isso é a paixão por fazer o bem”, afirma.

 
Adolescentes tietaram o cantor Gustavo Mioto no baile de debutantes em Barretos, SP — Foto: Fábio Junior/EPTV

Adolescentes tietaram o cantor Gustavo Mioto no baile de debutantes em Barretos, SP — Foto: Fábio Junior/EPTV

 

Diretor-médico do Hospital de Câncer Infantojuvenil, o oncologista Luiz Fernando Lopes diz que o baile de debutantes é uma forma de incentivar os jovens pacientes e contribui com o tratamento, uma vez que leva alegria e entusiasmo a cada um deles.

“Um sonho realizado é fundamental, é uma das peças mais importantes. Os remédios vêm junto, mas, o remédio bem temperado com amor, vai bem. Se tiver meta de sonhos, ultrapassa momentos difíceis e chega ao futuro sem tratamento, sem doença”, afirma.